Depoimentos

Apresentamos a seguir uma relação de empresas, governos e instituições de ensino que realmente utilizam o modelo de maturidade MMGP para avaliar sua maturidade atual e/ou para estabelecer um plano de crescimento.

BANCO CENTRAL
"O Banco Central do Brasil encontrou no MMGP um direcionador para nortear nossos esforços em elevar, de forma planejada e controlada, a capacidade da Instituição de gerenciar seus projetos.  Sua utilização é simples, porém os resultados demonstram claramente a situação atual, os pontos fortes e fracos, assim como fornece as demais informações necessárias para elaboração de planos de ações de médio e longo prazo para tornar a Gerência Executiva de Projetos, o PMO corporativo da Instituição, um escritório de projetos com atuação estratégica, apoiando o portfólio de projetos de interesse da Diretoria Colegiada, buscando atingir os resultados desejados."
André Pinheiro Machado Mueller  - Gerente-adjunto  -  Gerência Executiva de Projetos

CONSTRUTORA ANDRADE GUTIERREZ
"Utilizamos o modelo MMGP no Escritório de Projetos da TI da construtora Andrade Gutierrez com o objetivo de medir o nosso resultado (nível de maturidade) em relação as melhores práticas do mercado. Com essa medição conseguimos observar as lacunas, estabelecer metas para atingir um novo patamar (aumento do nível de maturidade) e propor as ações / projetos necessários para atingir o resultado. O modelo é a base do sistema de gestão do nosso Escritório de Projetos."
Guilherme de Souza Pinto - Coordenador de Sistemas e do Escritório de Projetos TI

EMATER-MG
"A primeira avaliação da maturidade, em 2004, apontou o valor 1,10, que refletiu corretamente o estado de inexistência de práticas e de competências. Considerando os enormes desafios que a empresa tinha para atender aos Programas Estruturadores do Governo MG, além dos seus próprios projetos, foi estabelecido um Plano de Crescimento que, dentre outras iniciativas, criou o  Escritório de Gerenciamento de Projetos, implementou uma metodologia que foi informatizada e criou-se competências. Ao final de 2005 saltamos para 2,50. Um novo plano de melhorias foi estabelecido no início de 2006 e, atualmente, a maturidade é de  2,98. Atualmente, dado ao sucesso da experiência,  a empresa está difundindo a prática às Unidades Regionais."
Fernando Tejada – Coordenador PMO Central

FUNDAÇÃO DOM CABRAL
"A Fundação Dom Cabral encontrou no modelo PRADO-MMGP um direcionador para ajudar os Participantes da ênfase de projetos do curso de Especialização em Gestão a elaborarem o trabalho de conclusão de curso, exigido pelo MEC para obtenção do título de especialista. O Projeto Aplicativo é o trabalho a ser desenvolvido e, na ênfase de projetos, freqüentemente, apresenta-se como um instrumento que permite às organizações desenhar, organizar e implantar metodologias de gestão de projetos customizadas, eficazes e padronizadas. Antes de tudo, porém, é necessário identificar corretamente o nível de maturidade que os setores e departamentos da empresa se encontram, assim como quais os instrumentos, técnicas e ferramentas necessárias.
Nestes aspectos o modelo PRADO-MMGP têm-se mostrado um método muito eficaz, permitindo aos Participantes encontrar o caminho certo para conduzir projetos de implantação do gerenciamento de projetos em suas empresas. E ainda mais, permite definir um projeto focado e distribuído no tempo para as reais necessidades encontradas com a pesquisa, utilizando o plano de trabalho recomendado pela metodologia.
Portanto posso afirmar que o modelo PRADO-MMGP tem contribuído de forma exemplar na Fundação Dom Cabral  para a formação de jovens executivos em suas carreiras."
Ricardo Jacobina - Coordenador da Ênfase de Projetos - Curso de Especialização em Gestão

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS - FGV / Rio
"O modelo de maturidade MMGP foi estudado no curso Pós-MBA em Gerenciamento Avançado de Projetos da FGV. Neste curso, novas técnicas e tendências avançadas são analisados pelos alunos, e comprovou-se a viabilidade e valor do modelo."
André Valle - coordenador acadêmico - FGV

FGV  / ISAE (Curitiba)
"A escolha do modelo MMGP-Darci Prado para o estudo de caso no curso de GP-FGV foi baseada na sua simplicidade, disponibilidade, universalidade, plano e medição de melhorias, que revela formas de implementação de melhorias na gestão de projetos. Sendo que esta avaliação é aplicável a todo tipo de organização e a toda categoria de projeto, sendo o seu objetivo principal relacionar a maturidade da organização com sua capacidade de executar projetos com sucesso. Aplicando o questionário em uma empresa nacional de porte médio, os resultados se apresentaram compatíveis com o atual estágio da empresa, principalmente em relação à dimensão informatização, já que esta ainda não dispõe de um sistema informatizado implantado de gestão de projetos. E este é o grande desafio da empresa para buscar aumentar a sua maturidade em gerenciamento de projetos."
Maria Regina Haiduk - MBA - Gerenciamento de Projetos  

GOVERNO DE MINAS GERAIS – SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG
"Com os ganhos e resultados atingidos a partir da implantação do Escritório Central de Projetos e do gerenciamento intensivo utilizando-se do modelo MMGP, verifica-se atualmente um crescente movimento de difusão de escritórios de projetos setoriais no Estado de Minas Gerais, que passam a incorporar o gerenciamento não apenas dos projetos estratégicos, mas também dos demais projetos desenvolvidos nas respectivas áreas de atuação."
Thiago Toscano- Subsecretário de Planejamento e Orçamento - SEPLAG

GOVERNO DE MINAS GERAIS - SECRETARIA DE TRANSPORTES E OBRAS PÚBLICAS
"O Sistema de Transportes e Obras Públicas, com nossos três Escritórios de Gerenciamento de Projetos, encontrou no MMGP não só um bom orientador para a tomada de decisão da unidade mas também um referencial objetivo para a definição das metas de evolução. O retorno dado em formato numérico nos auxilia na comparação dos escritórios que estão vinculados a nós, bem como possibilita a definição mais clara dos objetivos que devem ser buscados. Creio que seria muito difícil gerenciar um escritório central sem contar com uma ferramenta tão simples, objetiva e moderna como esta."
Bruno Oliveira Alencar - Chefe da Assessoria de Gerenciamento de Projetos - AGP - SETOP

MAGNESITA
"O Centro de Pesquisa da Magnesita Refratários SA começou a adotar o Gerenciamento de Projetos em 2005 e o seu nível de maturidade em gerenciamento de projetos era de 1,0. Ao final de um ano, uma metodologia estava implantada e disseminada pelo departamento, o que garantiu o alcance do indicador 1,96. No segundo e terceiro anos, a consolidação do Escritório de Projetos contribuiu para a padronização dos processos e o nível de maturidade chegou a 3,20."
 Dalila Carvalho de Almeida - Escritório de Projetos CPqD

SADIA
"O uso do modelo de maturidade MMGP nos permite identificar lacunas em nosso sistema de gestão de projetos de investimento. O modelo, apesar de robusto, é de fácil aplicação e permite identificar nossa posição frente aos benchmarks, auxiliando na construção do plano de melhoria dos procedimentos de gestão. O resultado é o crescimento DA NOSSA CAPACIDADE DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS e do grau de sucesso dos nossos projetos."
Valmor Savoldi - Diretoria de Gestão de Investimentos.

     
TELEFÓNICA LATINOAMÉRICA
"Utilizamos o modelo de maturidade MMGP para nos ajudar a fazer um diagnóstico de nossa capacidade de gestão e implantação de projetos. A partir daí, identificamos o estagio em que estávamos e o estágio em que queríamos estar. Em função disso, criamos um programa para acelerar nosso processo de maturidade focado inicialmente no Brasil, hoje estamos consolidando este programa e o expandindo para as demais operadoras da América Latina.  Hoje praticamente todos nossos projetos estratégicos na região estão aderentes à metodologia de gestão."
Ariel Dascal - Diretor Controle de Projetos Latam

V&M (Vallourec e Mannesmmann do Brasil)
"Utilizamos o modelo de maturidade MMGP desde 2004, para avaliar a maturidade e montar/rever o plano de crescimento. Ele serve como índice de controle para mensurar os resultados das modificações em gestão de projetos que foram realizadas a partir de 2001 na V&M do Brasil. Através do mesmo podemos identificar os pontos fracos e as possibilidades de melhorias no processo de gestão dos investimentos, e, além disso, podemos comparar como estamos em relação a outras grandes empresas no Brasil."
Fabiano Pereira – Coordenador PMO Investimentos